Equilíbrio

Cuidar da mente para uma vida mais harmônica

O que é o estresse tóxico --e como ele pode afetar a saúde e o desenvolvimento das crianças

iStock
Existem três tipos de resposta ao estresse: positiva, tolerável e tóxica - esta última, prejudicial Imagem: iStock

11/01/2018 08h53

Aprender a lidar com as dificuldades da vida faz parte do nosso desenvolvimento, mas é preciso tomar alguns cuidados com as soluções adotadas, especialmente no caso das crianças.

O estresse é uma resposta fisiológica a uma situação adversa. Quando produzido, desencadeia mudanças químicas no nosso corpo, que afetam os sistemas imunológico, endócrino e neurológico.

Veja também:

O Centro de Desenvolvimento da Criança da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, cita três tipos diferentes de resposta ao estresse: positiva, tolerável e tóxica, dependendo do efeito que essa reação tem sobre o corpo.

Mas enquanto as duas primeiras fazem parte do desenvolvimento normal de uma criança, a terceira é prejudicial.

Quando o estresse é tóxico?

A resposta tóxica ao estresse pode ocorrer quando uma criança vivencia uma dificuldade forte, frequente e prolongada, sem apoio adequado de um adulto.

Entre os exemplos, estão negligência, abuso físico ou emocional, exposição à violência, vício em drogas, problemas mentais ou uma elevada carga de pobreza.

iStock
Crianças que têm estresse tóxico podem se tornar adultos mais doentes Imagem: iStock

Uma mãe com depressão profunda, que não pode cuidar do seu bebê, ou pais alcoólatras ou viciados em drogas, que não se dedicam aos seus filhos, podem fazer com que a criança entre em um estado permanente de estresse, considerado tóxico. E isso pode gerar repercussões por toda a vida, segundo especialistas.

Quanto mais adversas são essas experiências na infância, maior é a probabilidade de a criança vir a apresentar atrasos no desenvolvimento e problemas de saúde, como cardiopatias, diabetes, abusos de drogas e depressão, além de dificuldade de adaptação.

Diante do estresse, o corpo e o cérebro ficam em alerta: produzem adrenalina, aumentam a frequência cardíaca e liberam mais hormônios, como o cortisol. Depois de um certo tempo, é esperado que a resposta se atenue, e o corpo volte ao estado natural.

Isso ocorre quando a situação de alarme diminui ou, no caso de uma criança, depois do consolo de um adulto. Mas se esse consolo não ocorre, a resposta se mantém constantemente ativa, inclusive quando já não existe um perigo aparente.

iStock
Nas pessoas que sofreram estresse tóxico na infância, as áreas do cérebro dedicadas à aprendizagem e à razão têm conexões neurais mais fracas e escassas Imagem: iStock

Quais são os danos?

Esse tipo de resposta prolongada ao estresse é considerada tóxica porque pode saturar o cérebro da criança e interromper o seu desenvolvimento, especialmente durante os períodos mais sensíveis do crescimento infantil.

"Nas áreas do cérebro dedicadas a aprendizagem e razão, as conexões neurais que formam a arquitetura cerebral são mais fracas e escassas", segundo o centro de Harvard. "A ciência demonstra que a atividade prolongada dos hormônios do estresse na infância pode diminuir as conexões neurais nessas importantes zonas do cérebro, precisamente em um momento em que deveriam formar conexões novas."

O estresse tóxico resulta em desregulação do sistema imunológico, que aumenta o risco e a frequência das infecções entre as crianças, afirmou o pediatra Hillary Franke, do Centro de Medicina Integrada da Universidade do Arizona.

iStock
Ativação prolongada dos hormônios do estresse na infância pode diminuir conexões no cérebro Imagem: iStock

Os especialistas também acreditam que o estresse tóxico tem um papel no desenvolvimento de transtornos depressivos, problemas de comportamento, transtorno de estresse pós-traumático e psicose.

Adultos que sofreram estresse tóxico na infância também podem experimentar mais doenças físicas e serem mais suscetíveis a alcoolismo, obstrução pulmonar crônica, depressão, câncer, obesidade, maiores tentativas de suicídio, cardiopatia "e uma miríade de outras patologias", segundo Franke, em estudo de 2014.

Se por um lado não é possível acabar com as causas do estresse infantil, como pobreza, abuso e negligência, por outro é possível apoiar as famílias para estabelecerem relações seguras e estáveis entre adultos e crianças.

As pesquisas feitas até agora mostram que estabelecer uma relação de apoio estável, com adultos envolvidos no bem-estar da criança em sua idade mais tenra, possa prevenir e reverter o danos do estresse tóxico.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mindfulness para o dia dia
Blog do Henrique Szklo
Blog Luiz Sperry
do UOL
BBC
do UOL
Blog do Prem Baba
Blog do Guilherme Giorelli
do UOL
Blog do Dan Josua
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
Estilo
Mindfulness para o dia dia
Blog do Henrique Szklo
do UOL
Blog Luiz Sperry
do UOL
BBC
Blog do Guilherme Giorelli
do UOL
Blog do Prem Baba
Estilo
Blog do Dan Josua
Agência Estado
do UOL
do UOL
Mindfulness para o dia dia
Blog do Henrique Szklo
Blog Luiz Sperry
do UOL
do UOL
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Prem Baba
do UOL
Blog do Dan Josua
Mindfulness para o dia dia
Blog do Henrique Szklo
Blog Luiz Sperry
Blog do Prem Baba
Blog do Dan Josua
Mindfulness para o dia dia
Blog do Henrique Szklo
do UOL
Blog Luiz Sperry
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Prem Baba
do UOL
Topo