Saúde

Sintomas, prevenção e tratamento de doenças

Diabetes regride com dieta radical, diz estudo

Getty Images
Imagem: Getty Images

Fábio de Castro

07/12/2017 11h58

Uma dieta radical de baixas calorias foi capaz de reverter o diabetes tipo 2 mesmo em pacientes que já conviviam com a doença há seis anos, aponta um estudo realizado por cientistas da Escócia e publicado na revista científica The Lancet.

O trabalho mostra que a doença pode ser revertida com perda de peso intensiva, deixando os pacientes livres de sintomas sem tomar remédios. Entre as pessoas que perderam mais de 15 quilos no estudo, 86% tiveram remissão do diabetes --todos os sinais da doença desapareceram-- em até um ano após o início do experimento.

Veja também:

"Nossos resultados sugerem que, mesmo para as pessoas que têm diabetes tipo 2 há seis anos, a remissão é factível. Em contraste com outras abordagens, nós focamos na necessidade de manutenção a longo prazo da perda de peso por meio de dieta e exercícios", disse o autor principal do estudo, Michael Lean, da Universidade de Glasgow.

Segundo dados da OMS (Organização Mundial de Saúde), o diabetes afeta até 9% da população mundial e é uma das principais causas de infarto, perda de visão, disfunção dos rins e problemas de circulação nos membros. No Brasil, estima-se que 18 milhões de pessoas sofram com a doença --que cresceu 62% só na última década. Cerca de 90% dos casos são de diabetes tipo 2, que ocorre por resistência à ação da insulina e tem a obesidade entre as principais causas.

O estudo, realizado na Escócia e na Inglaterra entre julho de 2014 e agosto de 2016, teve a participação de 298 pacientes diagnosticados com a doença, com idade de 20 a 65 anos, que não tomavam insulina. Os voluntários foram divididos em dois grupos.

Um grupo de controle com 149 pessoas seguiu o protocolo tradicional para tratamento da doença, com uso de medicamentos. Outro grupo de 149 indivíduos teve os medicamentos cortados e foi submetido a um programa de redução de peso, em três fases. Na primeira, os pacientes foram submetidos, de três a cinco meses, a uma dieta radical que substituiu toda a comida por uma fórmula alimentar de apenas 825 a 853 calorias diárias. Em geral, um adulto saudável consome cerca de 2 mil calorias por dia.

Na segunda fase, com duração de duas a quatro semanas, a comida normal foi reintroduzida gradualmente, até que o paciente chegasse a uma dieta de 1.400 calorias por dia. Na terceira fase, de manutenção da perda de peso, os pacientes voltaram a comer normalmente, até um limite de 2.500 calorias, enquanto eram submetidos a uma terapia cognitiva comportamental combinada com estratégias para aumentar a atividade física.

Resultados

Doze meses após o início do experimento, os participantes que fizeram a dieta especial perderam 10 quilos, em média, e quase metade deles (68%) teve remissão do diabetes. Entre os 149 pacientes que se submeteram à dieta, 36 (24%) conseguiram reduzir o peso em mais de 15 quilos --o que não foi conseguido por nenhum dos pacientes que seguiram o protocolo convencional de tratamento. Neste grupo, só 6 (4%) ficaram livres da doença.

O estudo também mostrou que o percentual de remissão variou na proporção da perda de peso. "Esses resultados são muito animadores. Eles podem revolucionar a maneira como o diabetes tipo 2 é tratado. A perda substancial de peso resulta em uma redução da gordura no interior do fígado e do pâncreas, permitindo que esses órgãos voltem a funcionar normalmente --e nós mostramos que isso pode levar a uma remissão da doença", disse Roy Taylor, da Universidade de Newcastle. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

SIGA O VIVABEM NAS REDES SOCIAIS

Facebook: https://www.facebook.com/VivaBemUOL/
Instagram: https://www.instagram.com/vivabemuol/
Inscreva-se no nosso canal no YouTube: http://goo.gl/TXjFAy

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
BBC
Saúde
do UOL
Blog do Henrique Szklo
Blog da Lúcia Helena
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog da Adriana Vilarinho
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cintia Cercato
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog da Lúcia Helena
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
Agência Estado
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Agência Estado
do UOL
Agência Estado
Blog da Lúcia Helena
do UOL
do UOL
do UOL
Topo