menu
Topo

VivaBem

Síndrome do pânico: falta de ar e taquicardia são alguns sintomas da doença

iStock
Suor, tontura e palpitação: esses são alguns sintomas da síndrome do pânico Imagem: iStock

Juliana Vaz

Colaboração para o UOL

29/08/2017 04h00

A saúde mental ainda é considerada um tabu por muitos apesar dos dados alarmantes: cerca de 15,1% da população brasileira sofre com algum tipo de transtorno, segundo relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), divulgado em 2017. Deste percentual, 9,3% têm ansiedade, um dos principais problemas de saúde que desencadeiam a síndrome do pânico.

No último ano, apesar do receio em falar sobre o tema, diversas celebridades têm ajudado a derrubar o preconceito em torno da enfermidade. Giovanna Antonelli foi uma delas. Ela afirmou ter sofrido crises de pânico, aos 12 anos, assim como o padre Fábio de Melo que disse, recentemente, estar lutando contra a síndrome.

Ao compartilhar o momento difícil e sua melhora ao buscar tratamento médico, tanto o padre quanto Giovanna puderam alertar pessoas que sofrem com o mal ou que têm familiares na mesma situação a enfrentar ou até identificar transtorno.

Síndrome do pânico: o que é?

A síndrome que acomete três vezes mais em mulheres que homens faz parte do que os especialistas enquadram de transtorno de ansiedade. De acordo com Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-IV), só é considerado transtorno do pânico quando os ataques não acontecem imediatamente a uma situação de estresse ou de ameaças físicas reais, como por exemplo um assalto.

"As crises duram cerca de 10 a 20 minutos e se repetem com frequência semanal ou diária", explica Mario Louzã, psiquiatra e doutor em Medicina pela Universidade de Würzburg, na Alemanha, e que atende em São Paulo. "Os ataques podem ocorrer até mesmo durante o sono", diz. "A síndrome deve ser compreendida como um transtorno de causa multifatorial, com impacto genético, dos hormônios e até do ambiente socioeconômicos", diz Triana Portal, psicóloga clínica, também de SP. Traumas, frustrações, preocupações financeiras ou perdas emocionais são alguns gatilhos que causam a crise.

Veja também:

Tratamento

O tratamento do transtorno do pânico é acompanhado por psiquiatras que prescrevem medicamentos e também indicam psicoterapia, que ajuda a identificar o pânico e criar mecanismos para manter o controle durante a crise. O tratamento é contínuo, mesmo que o indivíduo entre em um quadro assintomático, "já que a suspensão abrupta dos medicamentos podem provocar crises ainda mais severas que as iniciais”, afirma Louzã. O especialista diz ainda que não há uma "cura", mas, sim, uma diminuição da dosagem dos remédios e espaçamento das consultas.

Veja alguns sintomas da síndrome do pânico

  • Palpitação ou taquicardia

    É uma das reações mais comuns. O coração bombeia mais sangue enquanto as amígdalas cerebrais --estruturas responsáveis pelas emoções de medo e apreensão e que não têm nada a ver com as glândulas da garganta-- entram em intensa atividade. E como acontece em um susto, elas descarregam adrenalina no organismo, como se preparassem o corpo para fugir de um perigo. Esse é o sintoma que mais assusta pessoas durante as crises, que acham que estão sofrendo um ataque cardíaco.

  • Suor excessivo e tremor

    O corpo e a mente estão completamente interligados. Com a descarga do homônio da adrenalina no organismo, o estado de apreensão causa tais reações físicas de nervosismo.

  • Falta de ar e asfixia

    A dificuldade de respirar acontece em decorrência da aceleração cardíaca e do medo de não entender o que está acontecendo com o corpo.

  • Enjoo, tontura, calafrios e boca seca

    O estresse experimentado pelo organismo também causa essas reações fisiológicas. 30% dos pacientes dos pacientes apresentam algum problema no sistema vestibular --conjunto de órgão do ouvido interno, responsável por perceber os movimentos do corpo--, fazendo com que o cérebro receba informações errôneas sobre a posição em relação ao espaço, causando a sensação de queda e flutuação.

  • Despersonalização e desrealização

    Percebidos em crises mais severas, esses episódios são descritos como uma separação do corpo, de não se identificar durante a crise nem reconhecer o ambiente. Há pessoas que relatam não reconhecer o quarto e seus objetos pessoais, por exemplo.

Fonte: Mario Louzã, psiquiatra e doutor em Medicina pela Universidade de Würzburg, na Alemanha. Yuri Busin, psicólogo e diretor Centro de Atenção à Saúde Mental - Equilíbrio (SP). Triana Portal, psicóloga clínica (SP).

Mais VivaBem