Saúde

Sintomas, prevenção e tratamento de doenças

7 dúvidas frequentes que as mulheres têm sobre o câncer de mama

Do UOL, em São Paulo

20/10/2017 04h00

A conscientização sobre o câncer de mama é importante e deve sempre ser lembrada, uma vez que a estimativa é que apareçam 60 mil novos casos por ano em mulheres cada vez mais jovens, de acordo com o Inca (Instituto Nacional de Câncer). Os principais sintomas são os nódulos endurecidos, secreção, gânglios aumentados na região das axilas, além de alterações na pele e nos mamilos.

Quanto antes o diagnóstico for dado, maior a chance de cura. Segundo o Instituto, quando descoberto no início, há 95% de probabilidade de recuperação total. Para esclarecer e ajudar no entendimento da doença e suas complicações, o coordenador do Centro de Cirurgia Mamária do Hospital Moriah, Alexandre Munhoz, e a ginecologista-obstetra e mastologista, Cláudia Aldrighi, respondem a perguntas que eles próprios receberam de pacientes que atenderam. Veja as respostas abaixo:

Dúvidas frequentes

  • Imagem: Reprodução/Huffington Post
    Reprodução/Huffington Post
    Imagem: Reprodução/Huffington Post

    Posso ter câncer mesmo se não sentir nada no autoexame?

    O Inca mostra que 66% das mulheres diagnosticadas descobriram a doença através do autoexame, 30% em exames de rotina ? mamografia e ultrassom, 6% no consultório médico. Geralmente o câncer só aparece no autoexame quando está com 2 cm a 3 cm, dependendo do volume da mama. Então, com certeza é um ato importante e tem bastante valor para quem não vai ao médico com regularidade, mas é possível que não dê uma resposta precisa se o câncer for muito pequeno.

  • Imagem: iStock
    iStock
    Imagem: iStock

    Posso fazer mamografia independente da minha idade?

    A Sociedade Brasileira de Mastologia diz que a partir dos 40 anos a mamografia deve ser feita anualmente. Após 40 anos a mama é mais gordura e se faz mamografia e, antes dos 40 é feito o ultrassom, pois a mama é mais glandular. Além disso, mulheres com histórico familiar - mãe, avó, irmã - devem iniciar o segmento mamário, inclusive com mamografia, 10 anos antes da parente de primeiro grau diagnosticada com a doença.

  • Imagem: iStock
    iStock
    Imagem: iStock

    Tem idade para ter câncer de mama?

    De cinco mulheres com câncer de mama, quatro estão acima dos 50 anos. Existe também a possibilidade, devido a mutações genéticas, de ocorrer em mulheres cada vez mais jovens, em torno de 35 anos. Resumindo, a idade é considerada um fator de risco.

  • Imagem: iStock
    iStock
    Imagem: iStock

    Por que o câncer de mama ocorre com mais frequência em mulheres?

    Ele afeta cerca de 25% das mulheres em todo o mundo. A mulher tem este órgão mais desenvolvido se comparado com o homem. O estrogênio estimula o tecido mamário, por isso a mulher tem mais chance de desenvolver a doença. Já o homem tem de 50 a 100% menos chance de desenvolver o câncer de mama, se comparado com as mulheres, a categoria corresponde 1% dos casos.

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images
    Imagem: Getty Images

    Mães que estão amamentando podem fazer mamografia?

    Sim. A radiação do raio X não faz mal a criança e não deixa resíduos no leite. A mama está muito densa nessa fase e o leite funciona como um ?obstáculo? para o exame. O ideal é amamentar primeiro para depois fazer o exame, assim o resultado será mais preciso, com maior percepção.

  • Imagem: iStock
    iStock
    Imagem: iStock

    Quanto tempo pode durar o tratamento de quimioterapia?

    Geralmente, os ciclos de quimioterapia têm intervalos de 21 e 30 dias com 5 sessões em média. Dura cerca de 5 a 6 meses. O intervalo entre as sessões é necessário, pois as células de proliferação e as normais recebem igualmente doses do medicamento, então as células não afetadas pela doença precisam desse intervalo para que haja uma reconstituição do indivíduo e das células para retomar a quimioterapia.

  • Imagem: iStock
    iStock
    Imagem: iStock

    Posso ter câncer de novo mesmo após retirada da mama e quimioterapia?

    Sim. A cirurgia conservadora com radioterapia diminui até 30% esse risco mas não anula a possibilidade de a doença regressar. Na cirurgia que retira toda a mama o risco é menor, mas a chance de reincidência não é nula. A quimioterapia pode ser feita antes ou depois da cirurgia como parte do tratamento do câncer de mama. É feita sempre em casos de doença sistêmica ( metástases) e há pacientes com câncer de mama que não precisarão de quimioterapia. Dependendo da resposta da quimio podemos dizer que a paciente está controlada ou curada, mas não podemos dizer que é para sempre.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
Blog da Lúcia Helena
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
Agência Estado
Agência Estado
Blog do Maurício de Souza Lima
do UOL
BBC
Saúde
do UOL
Blog da Lúcia Helena
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog da Adriana Vilarinho
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cintia Cercato
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Agência Estado
do UOL
Blog da Lúcia Helena
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
Agência Estado
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Topo