menu
Topo

Alimentação

Ideias e informações para você comer melhor

8 maneiras simples de estimular seu filho a ter vida saudável desde cedo

Getty Images
Imagem: Getty Images

Cintia Baio

Colaboração para o VivaBem

09/01/2018 04h15

Estimular os hábitos saudáveis desde cedo é um dos principais desejos de pais e cuidadores. O problema é que nem sempre esses estímulos são fáceis. A correria diária e a praticidade dos alimentos industrializados são alguns dos obstáculos para colocar em prática esse desejo.

No entanto, os especialistas ouvidos pelo VivaBem são unânimes em dizer que o esforço vale a pena. Uma criança que se alimenta bem, brinca e tem uma rotina bem estruturada, não tem benefícios apenas físicos ao longo de sua vida. Ela também cresce com mais confiança, autonomia e vontade de explorar o mundo.

Fontes: Renato Santos Coelho, pediatra e membro da Sociedade de Pediatria do RS; Daniela Gomes, pediatra e nutróloga do HCor (Hospital do Coração); Ricardo Cunha, profissional de educação física e José Gabel, membro da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

  • iStock

    Faça pelo menos uma refeição do dia com as crianças

    Com a vida corrida, não é fácil reunir toda a família para o almoço ou jantar durante a semana, mas o encontro é importante. Na mesa, as crianças podem observar (e imitar) os hábitos alimentares dos pais, aprender a compartilhar e, principalmente, ter um momento de interação com todos da família. "A mesa é um dos poucos lugares em que as crianças podem observar seus pais interagirem, negociarem, resolverem problemas e expressarem emoções", diz um artigo publicado pelo Colégio Americano de Pediatras.

  • Getty Images

    Alimentação não é prêmio (ou castigo)

    Um dos principais erros que os pais cometem na alimentação dos filhos é transformar o ato de comer (ou de não comer) em um evento que merece prêmio. Por isso, frases do tipo "se você comer tudo, ganhará um doce" ou "se não comer, ficará de castigo" devem ser eliminadas do vocabulário. O ideal é estimular a curiosidade da criança e nunca forçá-la a comer. A dica é tentar perceber os sinais de fome e saciedade e o gosto da criança e respeitá-la.

  • Getty Images

    Elimine toda distração na hora das refeições

    Brinquedos na mesa ou televisão ligada devem ficar fora do "cardápio" na hora da refeição. A dica já é bastante conhecida, mas nem sempre é fácil de ser levada a sério. Metade dos brasileiros come alguma coisa enquanto vê TV, de acordo com os dados da edição de 2015 da Pesquisa Brasileira de Mídia. Para as crianças, o momento da refeição precisa ser tranquilo. Isso ajuda a evitar distrações e encoraja os pequenos a conhecerem o sabor dos alimentos, mastigarem com calma e valorizarem o ato de comer.

  • Getty Images

    Cuidado com o que você oferece

    O ideal é que a criança coma apenas alimentos naturais, sem açúcar e saudáveis. Mas conseguir isso todos os dias é complicado. Por isso, os especialistas sugerem que as trocas sejam feitas sempre que possível. Se a criança for pequena, por exemplo, tente acostumá-la a não tomar refrigerante, comer alimentos açucarados e ricos em gorduras ruins. Vale ressaltar que o caminho não é privar a criança de determinado alimento, mas sim oferecer alternativas mais saudáveis.

  • Getty Images

    Diversifique a alimentação

    Apresentar alimentos variados ou o mesmo alimento de diferentes maneiras, pode evitar que as crianças fiquem seletivas demais, principalmente à medida em que vão crescendo. Se possível, prepare refeições coloridas, que encham os olhos. Vale, inclusive, optar por pratos infantis, que já vêm com divisórias. Procure também deixar seu filho apreciar o aroma da comida feita na hora. Tudo isso vai despertar os sentidos dele.

  • Getty Images

    Estimule a brincadeira

    O ato de brincar é muito importante na infância e vai além do simples entretenimento. É através da brincadeira que a criança aprende, experimenta o mundo, desenvolve relações sociais, cria autonomia, aprende a compartilhar, cooperar, liderar etc. Quando a criança é pequena, qualquer atividade dentro de casa já estará estimulando o desenvolvimento físico e intelectual. O ideal é que as atividades durem entre 30 e 45 minutos antes de um descanso. Esse é o tempo ideal que a criança presta atenção na brincadeira. Passou disso, começa a perder o foco.

  • Getty Images

    Incentive-o a praticar um esporte

    De acordo com Ricardo Cunha, a partir dos 5 ou 6 anos, os pais já podem pensar em incentivar a criança a participar de algum esporte com que ela se identifique. Qualquer que seja a modalidade e, assim como na brincadeira, a prática de um esporte ajuda a desenvolver a ideia de compartilhamento e melhora a autoestima. "A partir dessa idade, além do esporte, é interessante estimular as brincadeiras fora de casa também, como em quadras, andar de bicicleta e correr", diz o professor de educação física.

  • Getty Images

    Crie uma rotina leve

    A previsibilidade das tarefas e acontecimentos ao longo do dia deixam as crianças mais seguras e menos ansiosas. No entanto, estabelecer uma rotina não significa sobrecarregá-la com atividades --o ócio e o tédio também são importantes. Quando não existe horário definido para acordar, comer, ir à escola e brincar, a criança pode apresentar quadros de ansiedade e insegurança. Isso porque a infância é uma fase com muitas transformações e a criança já se sente confusa internamente.