Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor

O que é a PrEP? Tire 12 dúvidas sobre o tratamento que previne o HIV

Getty Images
Imagem: Getty Images

Thamires Andrade

Do VivaBem, em São Paulo

10/01/2018 04h03

No Brasil, uma pessoa é infectada com o vírus HIV a cada 15 minutos. E, ainda que a taxa de detecção da doença esteja estável nos últimos 10 anos, com média de 20,7 casos por 100 mil habitantes, os dados alertam para um avanço da epidemia entre os mais jovens e os idosos.

Em uma tentativa de diminuir os casos de Aids, o Ministério da Saúde passou a oferecer no SUS (Sistema Único de Saúde) mais uma forma de prevenção contra o HIV: a PrEP, Profilaxia Pré-Exposição ao HIV. A seguir, respondemos 12 perguntas para você entender melhor como funciona o tratamento.

O que saber sobre a PrEP

  • O que é a PrEP?

    "PrEP" é a Profilaxia Pré-Exposição ao HIV. A ideia é que as pessoas tomem um medicamento para evitar uma infecção caso ocorra exposição ao vírus da Aids. Para isso, é necessário ingerir, diariamente, uma pílula que contém dois medicamentos (tenofovir e entricitabina) capazes de agir nas enzimas do HIV.

  • Qual a eficácia da PrEP?

    Diversos estudos mostraram que a PrEP reduz o risco de contrair o HIV. O iPrEX, estudo realizado com 2.499 homens que fazem sexo com homens na América Latina, EUA, África do Sul e Tailândia -- que no Brasil foi conduzido pela Fiocruz, pela UFRJ e pela USP -- mostrou que o medicamento chegou a reduzir em até 90% o risco de contrair o HIV.

  • Quem poderá aderir à PrEP?

    Os médicos prescrevem a PrEP para pessoas com maior risco de entrar em contato com o HIV, como as que não usam preservativos em relações sexuais, principalmente anais. O público prioritário para receber o tratamento via SUS, que concentra maior número de casos Aids no Brasil, são gays e homens que fazem sexo com homens (HSH), transexuais, trabalhadores/as do sexo e quem não é portador do HIV e se relaciona com uma pessoa infectada pelo vírus.

  • Como será feita a triagem para aderir ao tratamento?

    Não basta estar no grupo prioritário para ser indicado a receber a PrEP. Um médico irá avaliar se a pessoa está exposta ao vírus por ter feito sexo anal ou vaginal sem preservativo nos últimos seis meses; apresentar episódios frequentes de infecções sexualmente transmissíveis, como herpes e gonorreia; ou usar repetidamente a PEP (Profilaxia Pós-Exposição) --tratamento com terapia antirretroviral dada após uma possível exposição ao HIV.

  • O que deve ser feito antes de receber o medicamento?

    Se o médico e o paciente concordarem que a PrEP vai ajudar na prevenção, será necessário realizar exames para saber se a pessoa tem HIV ou outras infecções sexualmente transmissíveis (IST). Também é preciso checar se os rins e o fígado estão funcionando bem, por meio de um exame de sangue. Se todas as avaliações estiverem em boas condições, a pessoa poderá usar a PrEP.

  • Como funciona o tratamento?

    Ao aderir à PrEP, o paciente precisará fazer visitas regulares ao serviço de saúde, realizar exames de acompanhamento para ver se o organismo está reagindo bem aos medicamentos e buscar a medicação a cada três meses. O comprimido deve ser tomado todos os dias, como prescrito.

  • A PrEP tem algum efeito colateral?

    Como nenhum medicamento é isento de efeitos colaterais, a PrEP, apesar de segura, tem efeitos em curto e longo prazo. Na lista de sintomas passageiros estão dor de estômago, náuseas, alteração do ritmo intestinal e gases. Em longo prazo, o risco é a alteração da função renal e perda óssea. Esses problemas, no entanto, são reversíveis. Ou seja, ao parar de tomar o medicamento a função renal e a massa óssea voltam ao normal.

  • Onde o tratamento estará disponível?

    A PrEP está disponível em 36 centros de serviços de saúde de 22 municípios, nos seguintes Estados: Amazonas, Ceará, Pernambuco, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul, além do Distrito Federal. O endereço de cada serviço deve ser obtido na secretaria de saúde desses Estados. A previsão é de que o tratamento seja expandido para todo o Brasil gradualmente até o fim do primeiro semestre de 2018.

  • A PrEP substitui a camisinha?

    Não. O paciente não deve parar de usar preservativos só porque está tomando a PrEP, pois ela só é eficaz contra a infecção pelo HIV. Já a camisinha oferece proteção contra todas as infecções sexualmente transmissíveis (tais como sífilis, clamídia e gonorreia). Então, a pessoa estará mais protegida contra o HIV e outras doenças se tomar a PrEP diariamente e usar o preservativo durante o sexo.

  • Por que vale a pena investir na PrEP?

    Do ponto de vista da saúde pública, estudos de custo-efetividade mostraram que vale mais a pena pagar a PrEP para as pessoas com maior risco de se contaminarem com o HIV do que ter de arcar com o tratamento contra o vírus, que precisa ser feito pela vida toda.

  • É possível aderir a PrEP na rede particular?

    O medicamento da PrEP não é comercializado nas farmácias tradicionais do Brasil. Os pacientes interessados em aderir ao tratamento fora do SUS devem passar por um processo semelhante: buscar um infectologista e fazer uma série de exames. No entanto, além de arcar com todo acompanhamento necessário, é preciso comprar o medicamento importado, que custa, em média, 290 reais e dura um mês.

  • Quais são os países que já aderiram à PrEP?

    A OMS (Organização Mundial de Saúde) recomenda, desde 2012, a oferta da PrEP como uma das estratégias para prevenir a Aids. O tratamento é oferecido nos sistemas de saúde da França e na África do Sul e também está disponível para comercialização na rede privada dos Estados Unidos, Bélgica, Escócia, Peru, Canadá. O Brasil será o primeiro país na América Latina a incorporar a PrEP como política pública em seu sistema de saúde.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor