menu
Topo

Como emagreci

Histórias inspiradoras de quem mudou a silhueta

Com medo de nunca mais andar devido a problema no quadril, ele perdeu 52 kg

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Thamires Andrade

Colaboração para o UOL VivaBem

13/12/2018 04h00

Após uma decepção com a luta, Marco Túlio parou de treinar e chegou aos 133 kg. Com um problema sério no quadril, ele ouviu do médico que em dois anos estaria em uma cadeira de rodas se não diminuísse o peso. Precisou fazer cirurgia bariátrica e a operação abriu caminho para um novo estilo de vida. Abaixo, ele conta como tudo aconteceu:

"Pratiquei muito esporte na minha infância e adolescência: pedalava, fazia natação e lutava tae-kwon-do. Por gastar muita energia, mesmo comendo bastante, meu peso sempre se manteve sob controle. Fui começar a engordar depois dos 19 anos, quando parei de me exercitar.

Tive uma frustração muito grande com a luta. Eu me envolvi em uma briga de rua e tive que me defender. Quando contei o ocorrido na academia, fui suspenso: um mês sem treinar e um ano sem poder fazer exame de faixa. Meu sonho era ter uma academia de tae-kwon-do e ser faixa preta. Essa suspensão me desanimou muito e me fez parar de lutar. Comecei a engordar e quando vi já estava com 100 kg.

Veja também

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Eu não percebi que tinha engordado tanto. Quando me dei conta disso, comecei a travar uma luta contra a balança. Cheguei a fazer uma dieta louca com acompanhamento de um médico da cidade e em três meses perdi 40 kg, mas depois de seis meses passei dos 100 kg. A cada regime maluco que tentava, emagrecia e engordava o tudo novamente. 

Sofri muito preconceito no trabalho por causa do peso, ganhei vários apelidos. Isso foi uma das coisas que me motivou a tentar várias dietas pouco saudáveis

Nas rodas de amigos, eu sempre me antecipava e debochava de mim mesmo, para evitar que outros fizessem isso. Mas era algo que fazia eu me sentir mal em várias situações. Fora que não conseguia encontrar roupas em qualquer lugar e nem tinha muito opção de escolha. Comprava o que cabia em mim, não o que gostaria de usar. E ainda tinha que ouvir a minha família o tempo todo falando que eu estava gordo, que eu não era assim e deveria voltar ao que era.

Em 2014, estava com cerca de 110 kg, fui transferido para um outro estado e depois de três meses meu peso chegou a 125 kg. Resolvi fazer musculação e comecei a sentir algumas dores nas costas. Fui ao médico e descobri que tinha duas hérnias de disco. Segui com as atividades e emagreci um pouco, mas as dores aumentaram e descobri que, além das hérnias, estava com desgaste no osso do quadril por conta do excesso de peso

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Não podia mais fazer atividade física, pois o esforço estava agredindo mais meu físico e meu médico foi categórico: se  continuasse engordando nesse ritmo, em dois anos estaria em uma cadeira de roda. Esse prognóstico fez com que eu e minha mulher decidíssemos que eu faria a cirurgia bariátrica. 

Em princípio, nunca tinha pensado em recorrer à operação, mas meu médico me explicou que a cirurgia ajuda de 20% a 30%, o resto é todo um trabalho psicológico e de mudança comportamental. A partir daquele dia coloquei na cabeça que ia emagrecer. Sabia que depois da cirurgia teria de mudar meus hábitos.

Escuto comentários maldosos de que só emagreci por conta da operação, mas se não tivesse mudado meu comportamento, engordaria novamente. A bariátrica foi o empurrão que eu precisava para ser mais saudável

Para emagrecer e manter o peso controlado não tem mistério: é preciso fazer reeducação alimentar e atividade física diária. Coloquei isso em prática e logo depois da cirurgia voltei para a musculação. Perdi peso rapidamente. A ideia era ir dos 133 kg (peso que tinha quando fiz a cirurgia) aos 85 kg. Consegui mais e, quando atingi 81 kg, mudei a alimentação e o treino para ganhar mais massa muscular. 

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Claro que não foi fácil mudar minha mente. Tive que aprender a comer alimentos saudáveis. Era fã de doces, frituras, hambúrguer, batata frita e cachorro-quente. De vez em quando, até como essas coisas hoje, mas tudo depende das refeições livres que tenho. Se antes pulava a parte de saladas do restaurante, hoje nunca faço isso

Apaixonei-me tanto pela musculação que comecei a fazer faculdade de educação física. Malho seis vezes por semana e ainda realizo atividades aeróbicas todos os dias. Meu personal trainer é fisiculturista e estou me preparando para participar da minha primeira competição

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Hoje sempre penso no que vale a pena: o prazer temporário ou satisfação plena? Meus domingos eram prazerosos em frente a uma churrasqueira, regados a muitas comidas e bebidas. Hoje, sinto muito mais prazer em acordar domingo de manhã para pedalar ou correr... Escolhi viver e faço isso da maneira mais prazerosa para mim.

Antes da minha mudança, tinha hipertensão e precisava tomar remédio, além de gordura no fígado. Depois da cirurgia, suspendi os medicamentos, os problemas de saúde foram embora e meu quadril melhorou. Até as hérnias pararam de doer por conta do fortalecimento da musculatura.

Durante muito tempo, sofri ouvindo as pessoas falarem que eu jamais conseguiria emagrecer e ser saudável. Mas acreditei em mim e consegui realizar esse sonho. Para mudar, você não depende de ninguém, só de sua força de vontade.  

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube